SINGLE HOP IPAS E O ESTUDO DOS LÚPULOS

Uma tendência muito divertida, interessante e didática do mercado cervejeiro atual é o lançamento de cervejas single hop, feitas apenas com uma variedade de lúpulo, utilizado para aroma, sabor e amargor. Geralmente são American Pale Ales ou American India Pale Ales, estilos tradicionalmente associados ao protagonismo do lúpulo.

Cervejarias como a Mikkeller e a BrewDog sempre lançam IPAs single hop para alegria dos lupulomaníacos de plantão. A Mikkeller já lançou mais de 15 cervejas com este tema. A BrewDog já lançou kits com lúpulos extremamente celebrados como Citra, Nelson Sauvin e Sorachi Ace, por exemplo, e este ano lançou cervejas com os lúpulos Dana, El Dorado, Goldings e Waimea.

Aqui no Brasil a Way e a Dama foram as primeiras a trabalhar esta tendência, lançando kits single hop que abrangem variedades de lúpulos que foram desenvolvidas recentemente. A Way Beer, de Pinhais, Paraná, foi pioneira ao lançar no ano passado seu kit de american pale ales com o lúpulos Amarillo, Citra e Cascade, tendo lançado depois um segundo kit com os lúpulos HBC 342, Mosaic, Motueka e Topaz. Em setembro a Dama Bier, de Piracicaba, São Paulo, lançou sua versão com os lúpulos Ahtanum, HBC, Topaz e Motueka, utilizando como base sua Dama IPA, e que chegam agora no mercado belorizontino. E são estas cervejas, juntamente com o kit 2013 da BrewDog, que chegou este mês para os associados do Have A Nice Beer, que serão detalhadas aqui.

BrewDog IPA Is Dead Single Hop 2013 

brewdog ipa is dead 2013

O kit deste ano conta com os lúpulos Dana, Waimea, El Dorado e Goldings, bem distintos entre si em perfil e procedência. O mais famoso de todos é o Goldings, lúpulo clássico inglês presente nas tradicionais ales desta escola cervejeira. Aqui o lúpulo foi potencializado, revelando todas as suas características:

brewdog sh goldings blog

Goldings é o nome genérico dado a este clássico lúpulo inglês, se produzido fora do condado de Kent. Também é conhecido por East Kent Goldings, se produzido nesta região, ou apenas como Kent Goldings se produzido nas outras partes do condado. Lúpulo antigo e tradicional, desenvolvido ainda no século 18. É considerado lúpulo de aroma, com notas predominantemente florais, picantes e terrosas. A cervejaria descreveu notas florais de lavanda, amoras, peras com especiarias, ameixas frescas e tomilho. A descrição foi bem precisa neste caso, definitivamente o Goldings aparece com intensas notas florais de lavanda, mas também herbal, picante, terroso e frutado que realmente lembra amoras e frutas do gênero. O destaque também foi o bom nível de amargor, perceptível e de razoável persistência, bom para um lúpulo considerado aromático e de teor de alfa-ácidos de 4,0 a 5,5% apenas.

brewdog sh waimea blog

O Waimea, apesar do nome, não é havaiano, e sim neozelandês. Derivado do Pacific Jade, é descrito como cítrico (tangerina, grapefruit, limão) e picante. Percebi mais notas de pinho e um pouco de acidez e cebola. Achei o cítrico suave, assim como o amargor, que poderia ser mais pungente para um lúpulo de alto teor de ácidos-alfa (16 a 19%). O fermento aqui fica mais notável. Equilibrada, mas um pouco sem graça.

brewdog sh dana blog

Derivado dos lúpulos “Styrian“, o esloveno Dana é um cruzamento do Hallertau Magnum alemão (por sua vez derivado do Galena americano) com outras variedades da Eslovênia. Este é o lúpulo mais estranho de todos do pacote. Descrito pela BrewDog como picante, rústico e meio fedorento, tem umas notas herbais bem estranhas e peculiares, com um mentolado e picante igualmente esquisitos. O amargor não é intenso, e o mentolado/picante persiste e incomoda. Não me parece um lúpulo muito versátil  ou adequado para cervejas single hop. Curioso, no máximo.

brewdog sh el dorado blog

Já com o americano El Dorado a coisa melhora um pouco. Descrito como lúpulo de notas de frutas tropicais, pera, melancia e “stone fruits” (pêssegos, damascos, nectarinas, ameixas e cerejas). Achei o aroma dele frutado, remetendo às “stone fruits” mencionadas nas descrições, e também um pouco picante. A segunda cerveja mais interessante do kit, mas que convence bem menos do que a Goldings. É difícil bater um clássico…

dama bier ahtanum blog

Já o Ahtanum, primeiro lúpulo do kit da Dama Bier, vem do Vale do Yakima (estado de Washington, EUA), e é descrito como floral, terroso e cítrico, com notas de grapefruit. A Dama Bier Ahtanum IPA ficou saborosa, com sabor notável do malte e do floral do lúpulo, um certo terroso e cítrico de laranja (grapefruit?) muito sutil. No aroma o lúpulo se destacou pouco, dando espaço para o malte.

dama bier hbc 342 blog

O HBC 342 é um lúpulo americano experimental, desenvolvido pela Hop Union LLC, e seu aroma é descrito como de notas cítricas, de frutas tropicais e melão. Na cerveja revelou um sabor mais intenso, complexo, de frutas tropicais, cítrico, mas também leve picante, floral e terroso.

dama bier motueka blog

Já o também neozelandês Motueka, derivado do Saaz, tem perfil cítrico, com notas de lima e limão, além de notas florais, herbais e levemente frutadas. Proporcionou um amargor suave/médio e aromas delicados e agradáveis à cerveja.

dama bier topaz blog

E o lúpulo que fecha o kit da Dama Bier Single Hop IPAs é o australiano Topaz, de características terrosas como os lúpulos ingleses. A cerveja trouxe também notas herbais, resinosas e frutadas (lichia, como mencionado?), e também adocicadas (mel). Achei um lúpulo interessante, assim como o Motueka.

O que pude notar é que, de fato, as cervejas single hop acabam sofrendo de falta de complexidade quando o assunto é aroma, sabor e amargor de lúpulo. Poucos lúpulos me parecem ser completos o suficiente para desempenhar um bom papel em todos os momentos que eles são necessários, ficando em vantagem aquelas cervejas que fazem bom uso de uma combinação inteligente e bem feita de diversos lúpulos, que se complementam e se equilibram. É importante frisar, de qualquer maneira, o caráter didático que o conceito single hop carrega, ajudando profissionais e degustadores a entender melhor o papel de cada varietal no resultado final de uma cerveja pronta. Particularmente, do ponto de vista de degustação, gostaria de ver mais cervejas single hop com alguns dos lúpulos que mais gosto, como o Citra, o Sorachi Ace, Simcoe e Cascade, por exemplo… e ainda tem muito lúpulo para ser testado, de modo que penso que as cervejarias não vão parar por aí…

Ouvindo: The Hanson Bros. – Blitzkrieg Hops

4 Respostas para “SINGLE HOP IPAS E O ESTUDO DOS LÚPULOS

  1. Look at that… It’s alive!!!

    Satisfação em ver o blog voltando com os brilhantes artigos/análises.
    Tomara que a frequência volte.

    Abraços;

    Antônio Rafael Soares
    @RafaelitoBR

  2. Meu kit está chegando. Obrigado pelas avaliações, elas me ajudarão…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s